terça-feira, 26 de novembro de 2013

Participação em Startups

O tema Startup tem surgido muito na imprensa e está relacionado massivamente à empresas de TI com possibilidade de crescimento vertiginoso. Em listas de e-mail ligadas ao assunto é muito comum encontrar diversas pessoas procurando um sócio técnico para desenvolver o produto. É justamente aqui que vou focar esse post, postando sobre a participação em termos de porcentagem. Você pode fazer análise para avaliar um cargo de Diretor de Tecnologia, também chamado de CTO (Chief Technology Officer). Mas a análise é genérica e serviria para qualquer outro sócio.

Para contextualizar, conto um pouco da minha vivência sobre o assunto: eu sempre gostei de empreendedorismo. Depois de 6 meses de formado, trabalhei em cada ano subsequente em uma empresa diferente: uma startup ligada ao setor de saúde, um curso de design e programação web próprio e por último em uma startup do setor de educação. Nessa última, chamada QMagico, fui CTO.

Durante as negociações com o QMagico, e mesmo depois que sai da empresa, já recebi várias propostas para trabalhar em startups. Eu já tinha pesquisado um pouco sobre definição de participação nesse tipo de empresa e em uma dessas ocasiões, decidi colocar em prática uma metologia para calcular minha participação. Como chegar em um valor para uma empresa nascente é difícil, decidi por utilizar o chamado “Custo de Oportunidade” para chegar em minhas conclusões.

De acordo com a Wikipedia, esse conceito pode ser assim definido: “O custo de oportunidade é um termo usado em economia para indicar o custo de algo em termos de uma oportunidade renunciada”. Ou seja, para se chegar em valuation para a empresa que ainda não tem um histórico financeiro a ser analisado, escolhi calcular seu valor de acordo com o custo de oportunidade dos envolvidos, bem como todo investimento que já tenha sido feito (Link para planilha):



Abaixo segue a explicação da planilha.
 

Salario de mercado 

Esse é o custo de oportunidade mensal de um colaborador. Ou seja, quanto se está deixando de ganhar para entrar na empresa. É interessante notar que o trabalho em uma Startup não é igual ao de mercado: Muitas vezes você vai ter que trabalhar muito mais, fazendo “hora extra”, é pago via pro labore + divisão de lucros. Não existe décimo terceiro, às vezes nem férias. Por isso, ao calcular seu salário de mercado, acrescente a ele de 20 a 100%, de acordo com os benefícios que você vai abrir mão.

Salário Startup

Esse é valor que você vai receber durante o período. É subtraído do salário de mercado para se chegar no seu custo de oportunidade mensal.

Investimento Startup

Aqui constam todos os valores investidos na empresa, seja em dinheiro ou material. Esse valor será acrescentado ao valuation da empresa, junto com o custo de oportunidade de todos os sócios.

Vesting

Para fazer jus à sua participação, principalmente se entrar em uma a empresa depois da fundação, é comum aplicarem um período de 5 anos de vesting. Isso visa mitigar os riscos para a startup. Simplificando, se você fizer jus a 20% ao final do período de vesting, você ganharia o mesmo em parcelas de 4% a cada ano. E apenas ao fim do período, o que se chama de período de cliff.

Entendendo as contas

Para se chegar ao valor da empresa, todos os sócios devem calcular seu custo de oportunidade que será investido durante o período de vesting. Sócios que estão há mais tempo devem acrescentar esse período para aumentar seu custo de oportunidade final e, consequentemente, sua participação. Ao custo de oportunidade é somado o valor que cada sócio colocou em dinheiro ou material. Fazendo essa soma, é obtido o valor do Valuation Atual, a partir do qual a participação dos sócios é definida proporcionalmente ao seu investimento.

A célula Custo de Oportunidade, à direita, contém a soma do custo durante o período de vesting, mais o valor que por ventura for investido pelo sócio. Abaixo dela, na célula de equity, consta a participação porcentual do sócio.

Nas células abaixo das mencionadas foi considerado um fator de multiplicação que tem a ver com mesma expectativa de um investidor anjo:  ter seu investimento multiplicado de 10 a 100 vezes no período de 5 anos. Quando eles não enxergam uma saída dessa magnitudade, não costumam investir. Se no plano de negócio a análise não chegar no valor que se espera ganhar, aí talvez não valha à pena participar.

E mesmo quando a análise chegue nesse valor, é recomendável tomar cuidado com os deslumbramentos de empreendedores. Ser ambicioso é bom, mas manter os pés no chão também o é. O site http://dealbook.co contém várias informações sobre operações de investimento e compra de startups brasileiras durante os últimos tempos. Assim, quando vejo previsões de vendas que em apenas 2 anos passam até dos valores pelos quais empresas já estabelecidas, como Buscapé, foram adquiridas, passo a duvidar da qualidade da análise feita.

Conclusões

Existem diversos processos de definição de participação em startups e eu quis mostrar o que para mim faz mais sentido. Já cheguei a discutir isso certa vez quando recebi uma proposta. Com essa mesma análise, tinha chegado à conclusão que minha participação na empresa seria de 33%. Fui contestado, pois me ofereciam 10%. Diziam que a minha pedida “não fazia sentido”. Respondi, então, que me mandassem uma planilha, como fiz, explicando como chegaram no valor de 10%. Obviamente não mandaram, 10% é uma “praxe” de mercado, mas é uma em que não entro de jeito nenhum, pois além do trabalho ser desgastante, raramente vai compensar financeiramente, mesmo que a startup dê muito certo. Segue esse post que fala sobre o assunto:

http://www.financialsamurai.com/2013/10/18/the-startup-riches-myth-selling-for-millions-and-being-rich/

Outra questão é que às vezes, como já aconteceu comigo, se escolhe por trabalhar em uma startup por outras razões: flexibilidade, clima divertido com amigos, oportunidade de tomar decisões ou liderar um time. Todas elas são válidas. Mas mesmo que você decida emocionalmente, fica a dica de fazer uma análise financeira racional, seja pela simples planilha que apresentei ou outra metodologia. Isso o faz entrar no negócio mais consciente.

Enfim, deixe seu comentários e também links interessantes que possam ajudar outras pessoas a pautarem suas decisões.

 Abs,
 Renzo Nuccitelli
Postar um comentário